Jornal Arauto

Com a reactivação da Casa do Povo de Vilarandelo, sob a liderança de José Ribeirinha Machado, acompanhado por um grupo de cidadãos e cidadãs vilarandelenses, surge a necessidade de editar um boletim informativo, que desse nota da evolução e das carências da Instituição. Nasce assim, em Janeiro de 1961 o Jornal “ O Progresso” cuja emissão, de forma continuada, acontece até Março de 1968. Estávamos numa época fortemente marcada pela emigração para a Europa Central, principalmente França e tínhamos nas ex-colónias de Angola e Moçambique uma forte representação vilarandelense. Neste contexto, a chegada de notícias da terra natal representava um “matar de saudades” e a página dos “Ausentes” marcava uma posição de destaque, a par de uma outra página, “Acampados Associação Académica” da responsabilidade dos estudantes da época.

Vicissitudes diversas provocaram o fim do “Progresso” e em Março de 1974 ressurge o boletim informativo da Casa do Povo desta feita com o nome “ O Arauto”, cuja publicação ainda se mantém, apesar de alguns interregnos mais ou menos prolongados, nomeadamente, de Dezembro de 1985 a Agosto de 1999.

As dificuldades inerentes à manutenção de uma publicação contínua, com uma periodicidade bimestral, não é fácil, não tanto por falta de conteúdo mas, principalmente, pelos custos que daí resultam. Contudo, a generosidade dos nossos leitores tem aliviado esse esforço e a Direcção da Casa do Povo tudo fará para que este boletim informativo não falte, em tempo oportuno, nos lares dos nossos amigos.