Origem de Vilarandelo

Explanando um pouco a história de Vilarandelo, podemos entender as origens da Casa do Povo que tem vindo ao longo de décadas a prestar CRUZ DE MALTAapoio à população local.

MARCO MILIÁRIOElevada a vila pela Lei nº. 73/2001, de 12 de Julho, Vilarandelo, topónimo que deve tratar-se de um derivado de “ Villar”, isto é, “ Villares”, conjunto de pequenas “Villas” cedidas para usos agrícolas; a povoação ascende certamente a épocas muito remotas, não tanto a julgar pela sua toponímia mas sim pela verosimilhança da sua arqueologia. Além de existir nas suas proximidades um castro, que tudo indica tratar-se de uma povoação, tipo citânea, certo é também que pelo território desta povoação passava uma notável via militar romana, que de dirigia de “ Aquae Flaviae” para o Douro e que se julga nada ter haver com a famosa estrada “ Bracara-Astorga”. Dos vestígios da estrada ainda hoje se vê um marco miliar, referido por D.Jerónimo Contador de Argote, em 1701 e bem posto em foco po J.Castro Lopo.
Da história da povoação actual, propriamente, muito pouco se conhece, a não ser que deve remontar ao período decorrido entre os séculos IX e XI, tem origem num conjunto de pequenos vilares, como referido anteriormente, sem se saber também, devido à sua situação intermédia, se estaria, antes do século XIII ou XIV, incluída “ terra” de Montenegro, se na de Monforte. Como aparece depois, no termo de Chaves, julga-se que estaria mesmo na “ terra” de Montenegro. O lugar devia ser, pela própria, foreiro à coroa, o que está de acordo com o factor comum da r4395952515_13eed39cf6egião, na sua maior parte no século XIII. A sua situação paroquial inicial também é obscura e, apesar de lhe ser vizinha a vetusta sede paroquial de Santa Valha, não é certo que Vilarandelo se incluísse na respectiva paróquia. Em 1706 aparece como vigairaria da Ordem de Malta, da comenda de S.João da Corveira, pertencendo ao termo de Chaves, ouvidoria e comarca de Bragança. Em 1768, era ainda da mesma apresentação, rendendo para o seu vigário cerca de 40 mil réis. As marcas históricas deixadas por esta ordem foram tais que os vilarandelenses ainda hoje matêm a alcunha de “ Malteses” ou “ Mauteses”, como diz o povo, o que considera ser uma grande honra.

Destacam-se no seu património cultural e edificado: a Igreja Matriz e as capelas públicas de S. Sebastião, de Santo António, do Espírito Santo, de Nosso Senhor dos Milagres e do Senhor dos Aflitos; alguns cruzeiros e fontes e a calçada romana.

MURADELHA VILARANDELO

Deixe o seu comentário.